Jornalista, só com diploma

Da FENAJ
Por Sérgio Murillo de Andrade*

Em 1964, há 45 anos, na madrugada de 1º de abril, um golpe militar depôs o presidente João Goulart e instaurou uma ditadura de 21 anos no Brasil. Naquela época, todos os setores, inclusive o Jornalismo, e liberdades democráticas foram atingidas e sofreram por mais de duas décadas.

Em 2009, a sociedade brasileira pode estar diante de um novo golpe, mais direcionado que então. Desta vez, especificamente contra o seu direito de receber informação qualificada, apurada por profissionais capacitados a exercer o Jornalismo, com formação teórica, técnica e ética.

A exigência do diploma para o exercício da profissão de jornalista, em vigor há 40 anos (1969/2009), encontra-se ameaçada. O Supremo Tribunal Federal (STF) julgará, também em 1º de abril, o recurso que questiona a constitucionalidade da regulamentação profissional do jornalista. O ataque à profissão é mais um ataque às liberdades sociais, cujo objetivo fundamental é desregulamentar as profissões em geral e aumentar as barreiras à construção de um mundo mais pluralista, democrático e justo. Continue lendo

Anúncios

Campanha pela defesa do diploma de jornalismo

Da FENAJ

Polícia Federal prende desembargadores e um juiz no Espírito Santo

Da Agência Brasil
Por Ana Luiza Zenker

Brasília – Sete pessoas, entre elas o presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, Frederico Guilherme Pimentel, e dois desembargadores, Eupídio José Duque e um segundo que não foi identificado, foram presas pela Polícia Federal no Espírito Santo, em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Ela é relatora do inquérito que investiga o envolvimento de desembargadores, um juiz, advogados e uma servidora pública em crimes contra a administração pública e a Justiça. A ministra também expediu 24 mandados de busca e apreensão. Continue lendo

GVT chega para dividir mercado com a Oi Velox

ATarde Online

Consumidores de telefone fixo e de internet banda larga de Salvador ganharam uma nova opção na prestação de serviços. A GVT, empresa com sede no Paraná, lançou nesta quinta-feira, 18, o seu porfitólio de produtos em Salvador. São serviços de telefonia fixa, residencial e coorporativa, e de internet com velocidades que variam de um a 20 mega.

Até pouco tempo, duas empresas ofereciam serviço de telefonia fixa em Salvador, a Oi e a Embratel (Livre). Recentemente, a Tim também passou a operar este serviço. Já a internet através do sistema ADSL, utilizado pela GVT, só está disponível em Salvador para clientes Oi Velox.

A empresa chega a Salvador com preços agressivos em relação ao que é praticado no mercado. Na Oi Velox, o pacote de 1 mega mais 350 minutos de ligações custa R$ 164,90. Este valor não inclui provedor de acesso. Na GVT, o plano com 300 minutos para chamadas mais internet de 1 mega custa R$ 101,15. A GVT não obriga o consumidor a contratar provedor.

Na tecnologia ADSL, os sinais de dados (internet) e as ligações telefônicas trafegam pela mesma fiação. É por isso que o consumidor não pode utilizar na mesma linha telefônica serviços serviços das duas empresas simultaneamente. No valor cobrado pelas duas companhias telefônica não está embutido o aluguel do modem, que também pode ser comprado em lojas especializadas.

Nos dois casos, a contratação do serviço de internet também está associada à contratação do serviço de telefonia fixa. O vice-presidente da Unidade de Varejo da GVT no Brasil, Alcides Troller Pinto afirma que, na composição dos pacotes, o modem muitas vezes é fornecido em sistema de comodato e que não há necessidade de contratação de um provedor, o que barateia o custo da GVT em relação a outras operadoras

“Comparar preço é um assunto delicado se o consumidor não observar os serviços associados ao pacote que está contratando”, afirmou o executivo da GVT. De acordo com ele, a empresa já colhe bons resultados com os consumidores baianos. “Fizemos uma pesquisa de mercado e constatamos que cerca de 50% dos usuários de serviços como os que oferecemos estão insatisfeitos com a sua operadora”, disse.

De acordo com ele, também foi levantado o perfil do consumidor baiano como uma pessoa receptiva a novidades do mercado e atento às novas tecnologias. “Observamos, também, que o baiano é um bom negociador, sabe observar se o serviço que é oferecido atende às suas necessidades”, disse.

Há oito anos no mercado, a GVT atende as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, contabilizando mais de 1,54 milhão de linhas telefônicas. Salvador é a porta de entrada da operadora no Nordeste. Com um investimento inicial de R$ 50 milhões a empresa possui capacidade inicial para atender a 45 mil usuários de telefonia fixa e internet.

A estimativa é aumentar o atendimento para 65 mil usuários em dezembro de 2008 e 85 mil até junho de 2008. Neste primeiro momento, a GVT está em Amaralina, Barra, Caminho das Árvores, Canela, Comércio, Graça, Jardim Apipema, Pituba e Vitória. De acordo com Alcides Pinto, os bairros foram selecionados de acordo com a demanda e a abrangência do serviço será ampliada a medida que forem instaladas as novas redes.