Estatística da desigualdade

Do ATarde Online
Por Maurício Sotto Maior

Aos 86 anos, seu Manoel Calixto se mantém na base da batalha diária com a venda de cocos
Aos 86 anos, seu Manoel Calixto se mantém na base da batalha diária com a venda de cocos

Quando seu Manoel Calixto começou a trabalhar, lá nos idos de 1930, a cidade de Salvador mal chegava ao bairro de Amaralina. Toda aquela região era formada por uma fazenda, onde a limpeza das cocheiras e dos cavalos lhe rendia 20 mil contos de réis. “Era muito dinheiro para um menino de 9 anos”, relembra. Hoje, aos 86 anos, Manoel Calixto do Espírito Santo vende água de coco bem em frente ao Largo de Amaralina, no lugar onde sempre morou. Apesar da aposentadoria compulsória, nem pensa em parar de trabalhar: “Só tive carteira assinada durante os cinco anos que trabalhei na construção civil, mas não reclamo. Criei meus seis filhos e, enquanto puder andar, estarei aqui”.

A história de seu Calixto ilustra bem a situação dos negros no mercado de trabalho. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Salvador (PED/RMS), uma iniciativa do governo do Estado da Bahia que envolve as secretarias do Planejamento, Trabalho, Dieese , Ufba e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), o negro entra mais cedo no mercado de trabalho e sai muito mais tarde que os não-negros. A pesquisa vai mais longe. Em 2007, a população economicamente ativa negra somava 1.574 milhão de pessoas, porém, 356 mil delas engrossam os contingentes de desempregados.

“Trabalhei nove anos numa metalúrgica no Portoseco Pirajá. Quando perdi o emprego, na época de Fernando Collor, rodei o CIA, o Pólo, Comércio e nunca achei vaga. Saí com uma mão na frente e a outra atrás”, comenta Fernando Azevedo Maia, 40 anos, que há 10 anos vende lanches e salgados nas ruas de Salvador. Apesar de ter o segundo grau completo, Fernando considera um sonho poder ter um negócio fixo. “Só tive carteira carteira assinada quando trabalhei como office-boy e na metalúrgica. Hoje, meu trabalho é informal, pois não consigo me cadastrar na prefeitura como vendedor ambulante. É andando de bicicleta que eu consigo pagar as minhas contas”, conta.

Gênero – Para a coordenadora da pesquisa pelo Dieese, Ana Margaret Simões, o mercado de trabalho em Salvador, além de ser claramente racista, é marcado pelo preconceito de gênero. “Pior que ser negro, neste mercado de trabalho, é ser negra. A mulher negra é a maior vítima. Vinte por cento das mulheres negras só encontram ocupação no emprego doméstico. A taxa desemprego da mulher negra é de 26,4%, contra 19,2% do homem negro. É a mais alta taxa entre as seis regiões metropolitanas pesquisadas. Eliana Santos, 28 anos, sente esse problema na pele, apesar de ter concluído o ensino médio.

“Comecei a trabalhar como doméstica aos 15 anos, com carteira assinada e tudo, mas tive de sair por causa de assédio sexual. Desde então, eu coloquei um isopor na frente de minha casa, fiz cabelo e unha na base do biscate e esperei um tempão por um emprego pelo Simm. Somente há três meses consegui uma vaga de cozinheira na barraca de praia Tia Irene”, explica Eliana. Para ela, o mercado de trabalho é muito cruel. “É muita concorrência, exigências e safadezas. E eu que esperava trabalhar como secretária. Pelo menos consegui assinar minha carteira de novo”.

No próximo dia 20 comemora-se o Dia da Consciência Negra. Além disso, nada mais temos para comemorar.

Leia também: Situação mais dura para as mulheres.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: