Wagner propõe membros do Executivo fora do 2ºturno

Do Terra Magazine
Por Bob Fernandes

"Ou apenas os candidatos e seus partidos conduzem as campanhas e os vários niveis do Executivo, os representantes do Executivo, não sobem no palanque, ou sobe todo mundo"

Jaques Wagner:

Na política nada é impossível e não existe o impensável. Alguém imaginaria o presidente Lula e o governador da Bahia, Jaques Wagner, torcendo para que o deputado ACM Neto fosse para o segundo turno? ACM Neto, aquele que bradava e espumava nas CPIs pré-2006 e que ameaçou “bater” no presidente da República. ACM, o deputado a quem Lula chamou de “o naniquinho”. Pois é, Lula e Wagner jamais dirão isso de público, negarão se preciso for, mas certamente torceram para que ontem o adversário, herdeiro do carlismo, chegasse ao segundo turno.

ACM Neto ficou para trás e o candidato do PT, Walter Pinheiro (30,06%), enfrentará o atual prefeito, João Henrique, do PMDB (30,97%). A derrota de ACM Neto e a vitória do João Henrique criam uma problemaço. Para Wagner, e para Lula.

Onde se lê João Henrique, leia-se Geddel Vieira Lima, ministro da Integração Nacional, do PMDB, da base de sustentação do governo Lula e também do governo Jaques Wagner. E agora, como será?

A Bahia viverá, como d’hábito, uma guerra. Como evitar que as batalhas do segundo turno soteropolitano estraçalhem a aliança no plano regional e infeccionem a dobradinha nacional PT-PMDB com a qual Lula trabalha para 2010?

Mal cerradas as urnas, ainda em meio às comemorações pelo feito de ver chegar ao segundo turno um candidato, Pinheiro, que deu a largada com 3% das intenções de voto e também por outros bons resultados no Estado, o governador Jaques Wagner propõe:

(…) Ou apenas os candidatos e seus partidos conduzem as campanhas e os vários níveis do Executivo, os representantes do Executivo, não sobem no palanque, ou sobe todo mundo. (…) Ou ficamos todos nós de fora ou entrarão todos, e não apenas eu e o ministro Geddel. Ou não entrariam na campanha nem o governador nem o ministro, ou entraríamos todos…

Nos casos onde PT e PMDB disputam, o que faria o presidente Lula?

Proposta de Jaques Wagner:

Ele não entra, mas, independente disso, se optar por manter sua base mais distante dos palanques, deve dizer aos ministros que também não entrem. Aí não entraria ninguém, só os candidatos e os partidos.

A seguir, os principais trechos da conversa com o governador da Bahia.

Terra Magazine – Governador, os seus resultados aí na Bahia…
Jaques Wagner – …Foram muito bons. Ainda não é possível saber de todo o estado, mas no cinturão muito importante de Salvador, ganhamos em Camaçari, com o Luis Caetano, em Lauro de Freitas, com a Moema, em Cruz das Almas… Em Salvador, tivemos um grande resultado com o Walter Pinheiro indo para o segundo turno. No interior ainda é cedo para termos o mapa todo, mas do que já é conhecido, nos grandes municípios perdemos em Alagoinhas, onde ganhou o Paulo César do PSDB, mas é da minha base. Em Itabuna, ganhou o Capitão Azevedo, que é do DEM.

Perderam em Feira de Santana…
Mas aí não houve surpresa, e ganhamos em Vitória da Conquista e em outros municípios importantes, o PSB ganhou em Ilhéus…acho que fomos bem, temos uma base ampla e fomos bem. Especialmente em Salvador.

O Walter Pinheiro, do PT, começou com apenas 3%… mas esse resultado coloca dois candidatos da sua base e do presidente Lula, Pinheiro do PT e o prefeito João Henrique, do PMDB do ministro Geddel e da sua base, um contra o outro. Coloca, portanto, um grande problema, embora não seja um problema apenas daí da Bahia como sabemos.
São várias leituras. A primeira delas é muito positiva porque o Pinheiro saiu lá de baixo e está no segundo turno. Uma outra leitura, a que você coloca, é como administrar o problema que surge com enfrentamento entre candidatos de partidos que compõem a base do presidente e, aqui na Bahia, a minha base também.

Mas não apenas na Bahia, né?
Não. Esse problema está posto em Belo Horizonte e em Porto Alegre , por exemplo.

E aí, como fica?
O problema é saber como vamos nos comportar, o que vamos fazer, todos nós.

Todos nós quem?
Os governadores, os ministros, os representantes do Executivo no plano federal e no estadual.

Aí na Bahia…
O que eu vejo, o que proponho agora, vale não apenas para a Bahia. Ou apenas os candidatos e seus partidos conduzem as campanhas e os vários níveis do Executivo, os representantes do Executivo, não sobem no palanque, ou sobe todo mundo.

Leia-se: aí na Bahia, ou o governador Jaques Wagner do PT e o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) do PMDB ficam de fora da campanha formalmente, não sobem nos palanques, ou Jacques Wagner e Geddel se jogam na campanha e salve-se quem puder?
É isso, essa é minha proposta. Ou ficamos todos nós de fora ou entrarão todos, e não apenas eu e o ministro Geddel. Não entrariam na campanha nem o governador nem ministro, ou entraríamos todos…

Ué, e quem mais entraria? O presidente Lula?
Não, o presidente Lula, não. O presidente não entraria, mas se um de nós entrar, os demais ministros que quiserem também entrarão na campanha.

Isso vale não apenas para a Bahia?
A princípio sim, embora cada estado, cada cidade tenha as suas particularidades.

Se bem entendi, o que está propondo é que ou o ministro Geddel e o governador Wagner ficam de fora da campanha, dos palanques, ou se ele entrar você entra também e junto entrariam outros ministros?
É isso aí.

E o presidente?
Ele não entra, mas, independente disso, se optar por manter sua base mais distante dos palanques, deve dizer aos ministros que também não entrem. Aí não entra ninguém.

Aí na Bahia, o PMDB do ministro Geddel é parte de seu governo e da maioria na Assembléia. Essa disputa entre o prefeito do PMDB e um candidato do PT antecipa 2010?
Pode ser, mas não obrigatoriamente. Como disse, outras cidades como, por exemplo, Belo Horizonte e Porto Alegre vivem agora a mesma situação.

Na sua recente viagem a Nova Iorque com o presidente vocês discutiram esse dilema da disputa na base, de PT e aliados versus PMDB?
Conversamos mas não exatamente sobre isso porque ainda estava longe. Era muito difícil prever resultados, mesmo esse de Salvador, e o segundo turno em Belo Horizonte , por exemplo.

E o presidente, na sua opinião?
Nessas situações o presidente estará fora dos palanques.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: